Imigrantes do mundo, uni-vos



“Imigrantes do mundo, uni-vos”

Gustavo Maia Gomes 

Um estudo do Banco Mundial (veja a referência no final deste artigo) cobrindo todos os países nos últimos dois séculos e meio propõe-se a explicar a riqueza ou a pobreza relativa das pessoas respondendo a apenas duas perguntas: (1) o chefe da família é um capitalista? e (2) em que país ele mora? 

As principais conclusões são as seguintes: 

(1) Em meados do século 19, o primeiro fator respondia por metade da desigualdade: donos de capital eram ricos; trabalhadores, pobres. O local de residência explicava a outra metade: capitalistas ingleses tinham renda maior do que capitalistas indianos. Mas não havia muita diferença de renda entre trabalhadores de países ricos e de países pobres. Todos viviam pouco mais, pouco menos, no limite da subsistência. 

(2) No início do século 21, isso mudou substancialmente. Agora, só um quinto da disparidade de renda se deve à propriedade (ou falta dela) do capital; os outros quatro quintos são devidos ao local de residência. Outra mudança importantíssima: os salários dos trabalhadores de baixa, porém similar, qualificação – que há 160 anos pouco diferiam – são, hoje, dez vezes maiores nos países ricos que nos muito pobres. 

Dois grandes processos concorreram para produzir essa nova realidade, ambos nas sociedades capitalistas precursoras da revolução industrial: os países da Europa ocidental, Estados Unidos, Canadá, Japão, e uns poucos outros. 

De um lado, aconteceu nesses países um crescimento econômico de duração e intensidade absolutamente sem precedentes na história universal. Isso distanciou a renda média dos países ricos da dos países pobres, onde não estava ocorrendo nada semelhante, dessa forma, contribuindo para realçar a importância da “localização” na explicação das diferenças de renda entre pessoas de todo o mundo. 

De outro lado, sobretudo, a partir da segunda metade do século 20, os trabalhadores nos países capitalistas avançados conseguiram se apropriar de parcelas crescentes dos aumentos de produtividade que estavam alimentando a expansão do produto interno, transformando-as em maiores salários. Como não havia quase nenhum crescimento em boa parte dos países pobres, não havia o que distribuir na forma de aumentos salariais. Portanto, as rendas dos trabalhadores se distanciaram cada vez mais, entre países, contribuindo para reduzir o peso da propriedade (ou não) do capital como elemento explicativo da desigualdade.

Branko Milanovic, o autor do estudo, percebeu com clareza a implicação dessa mudança. Em 1848, Marx e Engels publicaram o Manifesto do Partido Comunista, com o lema “Proletários do mundo, uni-vos [para fazer a revolução universal]; nada tendes a perder senão vossos grilhões”. A política internacional nos 150 anos seguintes giraria, em grande medida, em torno disso. Já em 2011, o grito de guerra teria de ser outro: “Imigrantes da pobreza, vão à luta [para entrar ilegalmente na Europa ou nos Estados Unidos], nada tendes a perder senão uma miserável existência”. É provável que a política internacional neste século venha a ser dominada, cada vez mais, por essa questão. 

Do ponto de vista mais estritamente econômico, Milanovic realça um ponto importante: como ainda levará muito tempo até que o crescimento econômico mais rápido dos países pobres reduza substancialmente a discrepância de renda média entre países, a única via rápida para a redução das desigualdades entre pessoas será, mesmo, a migração. Que deveria, então, ser estimulada, ao invés de combatida. (Mas vá dizer isso aos assalariados da Alemanha ou dos Estados Unidos.) 

Se o velho Marx saísse da tumba iria querer morrer de novo: seu sonho da solidariedade internacional entre os proletários transformou-se na perseguição – apoiada pelos trabalhadores alemães – aos africanos destituídos de capital que tentam entrar na Europa. 

E quem disse que isso também não acontece – felizmente, ainda, em grau menor – dentro do nosso próprio país, por exemplo, com os nordestinos em São Paulo?

  

Referências:

Branko Milanovic, “Global Inequality: From Class to Location, from Proletarians to Migrants”, The World Bank, Policy Research Working Paper 5820, September 2011, disponível em http://econometrix.com.br/informacoes-estatisticas/doc_view/1370-global-inequalityfrom-class-to-location-from-proletarians-to-migrants-banco-mundial-setembro2011.raw?tmpl=component


Karl Marx e Friedrich Engels, O Manifesto Comunista. Disponível como livro eletrônico em http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/manifestocomunista.pdf (A edição alemã original é de 1848) 

Este artigo foi publicado, simultaneamente, em http://www.blogdatametrica.com.br, http://www.econometrix.com.br e http://www.gustavomaiagomes.blogspot.com (17 out 2011)


Leia outros artigos deste colunista.




    Gustavo Maia Gomes


    Phd em Economia (University of Illinois, USA, 1985); Visiting Scholar (Cambridge University, England, 1987/88), Diretor do Ipea (Brasília, 1995-2003); Professor de economia da Universidade Federal de Pernambuco (1976-2009), Secretário de Planejamento de Pernambuco (1991), autor de livros e artigos; economista e escritor.