Conjunto de cada 100.000 unidades de cédulas, de mesmo valor e estampa.



série em que as entradas ou saídas são registradas no início do respectivo período de capitalização.



série de entradas ou saídas de caixa em que, no segundo período, tem-se uma entrada ou saída (a primeira da série) à qual sucedem outras, uma em cada período posterior, cada qual aumentada da magnitude da primeira em relação à anterior. É usualmente representada pela letra G.



série de entradas ou saídas de caixa em que, no primeiro período, tem-se uma entrada ou saída (a primeira da série) à qual sucedem outras, uma em cada período posterior, cada qual majorada em relação à que lhe é imediatamente anterior na porcentagem correspondente à magnitude da chamada taxa de gradiente geométrico vigente na série em questão. É usualmente representada pela letra X.



Série de cédulas impressas para substituição de cédulas defeituosas das séries normais, antes de sua entrada em circulação. O número da série especial pode ser acompanhado de um asterisco (*).



série uniforme em que o número de períodos é tão grande que pode ser conveniente considerá-lo infinito.



série em que as entradas ou saídas são registradas ao final do respectivo período de capitalização.



série de entradas ou saídas de caixa em que estas apresentam a mesma magnitude e natureza (entrada ou saída), sucedendo-se umas às outras durante um número de períodos sucessivos. É usualmente representada pela letra A.



Acabamento trabalhado do bordo da moeda, destinado a impedir o cerceio (raspagem).



Conta da Dívida Flutuante que representa o montante das amortizações, juros, encargos, prêmios e títulos a resgatar com vencimento no correspondente exercício.



Serviço instituído, e conferido por lei ao Banco do Brasil, como instrumento do desenvolvimento de um eficiente sistema de pagamentos.



Despesas decorrentes de contratos com pessoas físicas ou jurídicas, prestadoras de serviços nas áreas de consultorias técnicas ou auditorias financeiras ou jurídicas, ou assemelhadas.



Rendimentos de propriedade a receber pelos intermediários financeiros líquidos dos juros totais a pagar, excluindo o valor de qualquer rendimento de propriedade a receber de investimento de fundos próprios.



Compreendem o provimento de cédulas e moedas aos bancos e a manutenção do dinheiro em circulação em boas e seguras condições de uso.



A sessão legislativa ordinária é o período de atividade normal do Congresso a cada ano, de 2 de fevereiro a 17 de julho e de 1º de agosto a 22 de dezembro. Cada quatro sessões legislativas, a contar do ano seguinte ao das eleições parlamentares, compõem uma legislatura. Já a sessão legislativa extraordinária compreende o trabalho realizado durante o recesso (ver verbete) parlamentar, mediante convocação. Cada período de convocação constitui uma sessão legislativa extraordinária.



Existem no Senado sessões deliberativas ordinárias, deliberativas extraordinárias, não deliberativas e especiais. As deliberativas ordinárias são aquelas em que há ordem do dia (ver verbete) previamente designada para votação de matérias, e se realizam de terça-feira a quinta-feira, às 14h. Nas segundas e sextas-feiras, respectivamente às 14h e às 9h, ocorrem, geralmente, as sessões não deliberativas (sem ordem do dia), para pronunciamento dos senadores, leituras de matérias e comunicados da Mesa. As sessões extraordinárias são as realizadas em horários diversos dos previstos para as ordinárias e com ordem do dia própria. As sessões especiais são dedicadas a comemorações e homenagens, mediante requerimento assinado por no mínimo seis senadores e aprovado pelo Plenário. Na abertura da sessão devem estar presentes pelo menos quatro senadores (um vigésimo da composição da Casa). Sua duração é de quatro horas, podendo ser prorrogada. As sessões podem também ser públicas, quando é permitido a qualquer pessoa assisti-las, e secretas, quando somente senadores podem estar presentes, bem como funcionários que o presidente julgar necessários.



Conjunto de unidades institucionais, que são caracterizadas por autonomia de decisões e unidade patrimonial.



Considera-se como setor público não financeiro as administrações diretas e indiretas nas esferas federal, estaduais e municipais, o sistema público de previdência social e as empresas estatais não-financeiras federais, estaduais e municipais, além da empresa Itaipu Binacional. Incluem-se também no conceito de setor público não-financeiro, os fundos públicos que não possuem característica de intermediários financeiros, isto é, aqueles cuja fonte de recursos é constituída de contribuições fiscais ou parafiscais. O Banco Central é incluído na apuração da dívida líquida pelo fato de transferir seu resultado automaticamente para o Tesouro Nacional, além de ser o agente arrecadador do imposto inflacionário.



Sistema Financeiro da Habitação



Sistema Financeiro Nacional